31
mar
16

Dicas para comprar passagens aéreas

Acrescento algumas dicas não mencionadas neste manual:

* Assine newsletter (ou curta a página do facebook) das companhias aéreas e sites como “Melhores Destinos”.

* Cadastre nos programas de milhagem oferecidos pelas companhias aéreas.

* Em viagens nacionais, não acredite na regra de que sempre a “Gol” oferece passagem mais barata e “Azul” a mais cara. Vale a pena comparar.

* Pesquisar diretamente nos sites da companhia de 00:00 a 05:00 costuma retornar valores mais baixos que outros horários.

* Para viagens em alta temporada (ferias e feriados) compre com bastante antecedência.

* As companhias costumam fazer promoções nos finais de semana.

* Procure saber o mês que determinada cidade brasileira que você quer visitar faz aniversário. Algumas companhias fazem promoção para o mês todo, geralmente 20% de desconto.

* No aniversário das companhias aéreas também ocorrem promoções (geralmente relâmpagos, 2 ou 3 dias), onde a volta é metade do preço da ida.

30
mar
16

Vale tudo…

Este momento está mostrando que tá valendo tudo nesta disputa pelo poder. Disputa que começou no dia 26/10/14, por gente que não soube perder uma eleição. Através de videos que enunciavam como que por profecias, que a partir daquele dia o Brasil havia morrido, que estava predestinado ao fundo do poço, que a culpa não era delas, e que era melhor ir embora do Brasil. Por que estas pessoas não cumpriram isso? (Não acho que tenha sido por falta de dinheiro) Pelo menos teriam dado a Dilma a oportunidade de governar este país, coisa que ela ainda não conseguiu fazer neste segundo mandato. E a culpa é dela?

Lembro que no dia 27/10/14 já tinha gente sonhando com o impeachment, sem ao menos saber o que isto significa (antes que alguém se sinta ofendido, refiro aos meus alunos adolescentes que não viveram a época do Collor). Mas não havia nada (como ainda não há até hoje) motivos para tal. Motivos que foram criados pela oposição que não se conformou em perder.

À essa época, a Lava Jato já estava em investigação há anos (pra quem não sabe a primeira delação ocorreu por volta de 2008/2009). Mas as primeiras medidas começaram a ocorrer em 2014, meses antes da Copa e das eleições (por que será?) E as prisões começaram após a eleição! (Dica para professores de História: peça a seus alunos para pesquisarem sobre a operação Lava Jato. Tenho certeza que eles não sabem o que é. Isso força o professor a aprender também e de quebra os jovens param de compartilhar sobre o que não sabem).

Hum, eles vão aprender que o PT recebeu propina. Muita propina. Quem do PT? Só do PT? Se a pesquisa for bem feita (e por fontes confiáveis) talvez aprenderão que todos os partidos estão envolvidos, que lavagem de dinheiro no Brasil existe desde os anos 80 (pra não irmos tão longe na história, já que antes não era divulgado), e que não foi o PT que inventou a corrupção no Brasil.

E olha que dado interessante! Foi exatamente no governo do PT que investigações contra corrupção mandaram corruptos para cadeia. Em governos anteriores, as denúncias eram feitas e as investigações não eram realizadas. O ex-presidente FHC, por exemplo, não permitiu investigações do MP, sabiam? (Mais pesquisas a fazer!)

Enfim, a massa descontente (mas de barriga cheia e bolso farto) queria que, a qualquer custo, a “presidanta” não governasse. E os líderes dessa massa fizeram de tudo para inventar motivos para o seu impeachment, aproveitando-se das investigações que não favoreciam o PT, e da “crise” (que não existia, mas eles fizeram existir).

Daí pra frente valeu de tudo pra tirar Dilma, Lula (que nem estava a frente do governo), e todos os petralhas corruptos (e ainda dizem que não é luta de partido, mas contra a corrupção, alguém pode citar uma corrupção da Dilma?)

Valeu tratar partido político como time de futebol (com direito a uniforme, torcida organizada e grito de guerra); valeu agressão e violência física por causa de uniforme vermelho; valeu bater panela (que só as empregadas sabiam onde estavam) e fazer buzinaço sempre que a Dilma aparecia na TV (Tipo a criança mimada que tampa os ouvidos quando não quer escutar a outra); não bastou ofender a autoridade máxima do país com vaias em eventos televisionados, nem com xingamentos na internet (vaca, anta, puta, pra citar as mais leves). Foi necessário criar um adesivo para carro totalmente misógino.

Valeu brigar com família, desfazer amizades, e bater boca com desconhecidos nas redes sociais; valeu compartilhar opiniões vindas de Jair Bolsonaro, Silas Malafaia, Danilo Gentili, Rachel Sheraazade, Ricardo Amorin, Mirian Leitão, Suzana Vieira e tantas outros intelectuais apartidários; valeu acreditar em tudo que a Rede Globo e a Revista Veja noticiam, mesmo sabendo que ambas apoiaram o golpe de 64 e também sempre foram instituições apartidárias; valeu estar de luto e postar foto de perfil com bandeira do Brasil preta e olho derramando lágrima (na minha opinião,mero modismo como foi com o arco-iris glbt, a bandeira de Minas e da França). Valeu também compartilhar piadinhas do Kibe Loco (apartidárias claro), e imagens com conteúdo de mal gosto, machista e preconceituoso, quase sempre com Lula e Dilma (esses dois estão em todas…)

Valeu utilizar catraca de metrô liberada pra lotar manifestação (contra corrupção?); valeu levar cartaz com incitação ao ódio, preconceito, pedindo intervenção militar e expressões de máxima extrema direita, como se fosse opinião representativa da maioria do povo brasileiro (eu graças a Deus, me excluo dessa); valeu levar empregada de uniforme pra manifestação (ainda acho que ela não queria ter ido) e valeu cartaz em iate, provando que nem todos que participaram das manifestações poderiam ser classificados (grosseiramente) como coxinhas, porque não estavam lá apoiando o PSDB. Nestas horas, vale mesmo é ficar em cima do muro (nenhum partido me representa, sou apenas contra a corrupção, e quero o PT longe. (E a democracia também))

Valeu endeusar um juiz que há menos de duas semanas ninguém nunca tinha ouvido falar (e dizem que só BBB fica famoso de uma hora pra outra); valeu se aproveitar do espetáculo midiático (palavra bonita) pra se promover pré-candidato a qualquer coisa no futuro; valeu mostrar que ser ético e imparcial é grampear telefonema (mesmo depois de suspenso); e impedir a posse do ministro Lula com liminar expedida pouco tempo após a posse, quase na mesma hora que este juiz teve que cancelar sua conta no facebook para ninguém saber que ele era contra o governo (e ainda tive que ler de pessoas: “quem disse que juiz tem que ser imparcial?”).

Valeu de tudo para passar por cima da democracia. E ainda dizem que não é golpe?

Antes que detonem tudo que escrevi com: “E vale aceitar cargo de ministro pra fugir da prisão?”, ” E vale apoiar e proteger ladrão?”, “E vale se acomodar com tudo isto que está acontecendo?” vai minha opinião (polêmica, mas quem se importa?):

Dilma e Lula, até que se provem o contrário, são inocentes. Assim como o Eduardo Cunha até hoje é considerado inocente (por muitos). E se for provado que ele é culpado e criminoso? Ele será julgado e condenado. Pra mim não faz a mínima diferença. Vou continuar considerando que ele foi o melhor presidente que este país já teve em toda sua história, que foi o único que governou para os pobres, que tirou milhões da linha de extrema pobreza, matou a fome de outros milhões, deu oportunidade pra outros milhões cursarem uma universidade, e outros milhões que saíram da pobreza e se tornaram classe média (me incluo nesta categoria).

Que legal: você apoia a corrupção!?!

Minha resposta sem medo de parecer a pior das pessoas que já viveram neste mundo e sem medo das opiniões de outrem: Ninguém pode reclamar de corrupção neste país se por alguma única vez já tenha burlado regras e leis, seja de trânsito, de silêncio, de dirigir bêbado, de furar fila, de alterar dados para abater imposto de renda, de mentir pra se dar bem com algo, de pagar suborno, de ter gatonet em casa, de alterar recibo que será reposto pela empresa, de embolsar dinheiro indevido, de roubar no supermercado, no hotel, na empresa, na escola, mascarar qualquer coisa, e muitas outras coisas pequenas que te faz corrupto tanto quanto ele (você se identificou com pelo menos cinco corrupções das listadas, confessa!)

Mas isso tudo é coisa pequena. Não foi o mesmo que embolsar bilhões dos cofres públicos.

Pra finalizar este assunto, reitero. Se Lula roubou, será condenado pela justiça (acreditem, a oposição não vai deixar ele sair ileso). Mas por tudo que ele representou e fez, tem meu apoio e meu voto sempre. (Não tem gente que vota em Maluf e Collor até hoje? E Aécio, não esqueçamos dele).

Não seja hipócrita, nem ingênuo em achar que um juiz consegue acabar com a corrupção no Brasil (nem que ele fosse um super-herói como ele acha que está sendo). Uns vão presos, outros se safam, todos se esquecem, e começa tudo de novo (outros e porque não os mesmos). Cambalacho não nasceu no Brasil, e vai sempre existir. Aprendam a conviver com isso.

Quanto ao golpe (Sim, esse é o nome correto), esperemos pra ver o que acontece…

28
mar
16

O blog está vivo!

Resumo do que aconteceu desde a última postagem deste blog, em 2014.

* Copa do Mundo no Brasil – Férias de um mês antecipada, BH com turistas, viagem para São Paulo muito peculiar, viagem para Foz do Iguaçu com amigos, estar na Argentina no dia em que o Brasil perdeu de 7×1 para Alemanha (jogando em BH)!!

* Setembro de 2014 – Astronomia em Turmalina pela segunda vez, surpresa boa ao retornar a BH, início de uma nova “primavera”.

* Aprovação na seleção do Doutorado em Educação.

* SNEA em Curitiba, CCXP em Sampa, SNEF em Uberlândia, Curso de Verão na USP.

* Férias de Janeiro em Porto Seguro.

* Viagem com família!

* Carro.

* Planetário, Hilton Rocha, OBA, Instituto Avaliar, FAE, Vygotsky, SPSS…

* Rio de Janeiro, Projeto de Pesquisa, Artigo, Oficinas…

* Estágio de docência, velhos contatos, cerébro turbinado, muitos planos!

* Ressurreição do Blog!

13
jun
14

É assim que somos os anfitriões da Copa do Mundo 2014

 

 

20140612180057852073i

20140612180104762002o

20140612180115778663a

20140613095342807559a

 

Tinha (e tenho) muitas críticas a essa Copa no Brasil. Mas não em relação à sua realização no país, e sim aos problemas de planejamento, políticos, infra-estrutura e gastos astronômicos. Mas já era! O que tinha que ser protestado, não adianta mais. Tudo já foi planejado, construído e gasto. São ridículos esses “protestos” que estão ocorrendo contra a Copa. Um protesto legítimo e legal contra a Copa no país seria ignorá-la, não enfeitando nenhuma rua, nenhuma loja, não pagando uma fortuna para ir aos estádios, não assistindo aos jogos pela TV, e não torcer pela seleção. Isso sim seria uma forma (muito inteligente) de protesto. Quando a onda de manifestações começou no ano passado, achei legal porque havia motivos para protestar (como o aumento abusivo dos ônibus e metrô de SP). Apareceram diversos movimentos em todo país e isto assustou os governantes. Mas se a intenção era protestar contra a realização da Copa no país, ou contra os gastos da Copa, o momento era aquele, ou muito antes. Agora a Copa já está acontecendo e esta nova onda de “manifestações” que estava adormecida e acordou de repente não faz sentido, apesar de insistirem em dizer que são “protestos contra a Copa”. Os “manifestantes”, em sua maioria bandidos, pessoas revoltadas com suas próprias vidas, menores de idade infratores e sem estudo nem sabem o motivo de estarem protestando. Eles vão na onda da multidão, que lhes dão coragem e poder, e acham que destruindo o relógio da Copa, o patrimônio público que eles mesmos usam, e lançando pedras nos policiais, estarão mudando alguma coisa (para melhor) em suas vidas de merda. As depredações que ocorreram ontem no Centro e na Savassi foram uma amostra de que esse bando está ali simplesmente para bagunçar a cidade, sem motivo nenhum. Na minha opinião quebrar o Cine Belas Artes, a Biblioteca Pública, museus, ponto de ônibus e casas de família é o mesmo que ocorre quando ladrões entram em uma escola pública e destroem carteiras, reviram materiais e roubam merenda dos alunos. Isso é inaceitável. Critico muito a implantação do BRT-MOVE, escolha do sistema e maneira porca como ocorreu, mas isso não me dá o direito de quebrar as estações que estão sendo utilizadas pela população. O dinheiro que a prefeitura vai gastar para consertá-las será o mesmo que sai do bolso da população, e que poderia ser usado para outros fins. Só não será o dinheiro que os políticos roubam pois este sempre continuará garantido, com ou sem “manifestações”. Ou os “manifestantes” acham que este dinheiro sai do bolso do prefeito, governador e presidenta? Bem provável que achem isso, pois são um bando de semi analfabetos, que mal sabem ler e escrever. Já a classe oposta, que paga 1000 reais para assistir a abertura da Copa, protesta vaiando a presidenta. Ridículo também achar que esse ato contra a presidenta resolverá alguma coisa. Só dará mais força ao partido opositor. Falam muito em protestar nas urnas, outra coisa que acho uma utopia. Não temos esse poder. Não somos nós que escolhemos os candidatos. Escolhemos entre as opções já impostas sem nenhuma participação do povo. Ou é Dilma ou é Aécio, ou melhor, ou é PT ou é PSDB. Os outros candidatos, sem chances de vencer, também acabam por apoiar um dos dois. Votar nulo? Uma opção nossa, que não quer nenhum dos dois, mas que isso mudará nos resultados? Um dos dois será presidente e ponto. Não podemos fazer nada. Vaiar a presidenta perante o mundo inteiro só mostra que somos mal educados. Assim como somos mal educados ao vaiar o time visitante que adentra o estádio. Um amigo disse uma coisa que realmente é verdade: quando a seleção brasileira vai jogar em outros países, eles são aplaudidos de pé. No entanto, quando uma seleção estrangeira vem jogar no Brasil são recebidos com vaias. Nessas horas, dá vergonha de ser brasileiro. Já que não se manifestaram a sete anos atrás contra a realização da Copa em nosso país, e agora ela já começou, nos resta ser receptivos com as 31 nações que estão nos visitando e que também não escolheram que a Copa fosse aqui. Hoje, vi um grupo de Colombianos no centro da cidade com um mapa de BH na mão tentando se localizar e chegar em algum lugar. Senti pena, pois percebi que ao invés de sermos bons anfitriões estamos sendo bons “hostilizadores”. Além de perdidos e hostilizados, os estrangeiros estão correndo perigo aqui, com essa onda de violência gratuita. Fico triste e alegre ao mesmo tempo. Triste por que com certeza, essas 31 nações que nos visitam sairão daqui com uma péssima imagem do Brasil. Se antes, o nosso país era visto lá fora como uma selva, infestada de macacos e cobras soltas às ruas, e cheia de índios, favelados, mendigos e prostitutas, agora será visto como um país cujas ruas se assemelham mais a campos de guerras, com estabelecimentos protegidos com tapumes e paredes de ferro, lotadas de policiais e repleto de porcos mal educados, que sujam e quebram a própria casa. O que me alegra é que antes tinham uma visão errada do país, agora levarão a imagem verdadeira.

18
jun
13

A tecnologia não nos salvará (por enquanto)

Os artigos de Gustavo Ioshpe, publicados na revista Veja, muitas vezes me fazem refletir sobre educação e a profissão que escolhi. Tenho buscado ser um bom professor do ensino médio, de uma escola pública com todos os problemas inerentes, e mais ainda, passado não apenas o que aprendi na faculdade de educação, mas principalmente o que vivenciei todo esse tempo de docência aos meus alunos de licenciatura em Física.

O governo de Minas Gerais prometeu presentear (!) com tablets a todos os professores da rede estadual. Além disso, enviou lousas digitais a todas as escolas do estado. Isso me levou a pensar o quão isso é politicagem, quanto o governo desembolsou com tudo isso, e o quanto isto influenciará no ensino. A resposta desta última questão é fácil: NADA.

Aí, achei o artigo de Gustavo Ioshpe, publicado há algumas semanas, que discute exatamente isso. Vale a pena ler e refletir…

 

A tecnologia não nos salvará (por enquanto)

 

Durante décadas, o Brasil ignorou suas carências na área educacional. Hoje, quando há falta de gente qualificada e superlotação de presídios, consolida-se a percepção de que o país não progredirá sem uma melhora radical no setor. Vem também a percepção de que esse é um problema gigantesco e urgente, cuja solução por vias normais levará tempo e demandará muito esforço. Surge então a busca por uma “bala de prata”, uma solução potente e rápida que nos permita atalhar o caminho. A bola da vez é a tecnologia.

Apesar de ser um entusiasta das novas tecnologias, uma busca na literatura empírica me obriga a concordar com um empresário que dizia: “Eu acreditava que a tecnologia podia ajudar a educação. Mas tive de chegar à inevitável conclusão de que esse não é um problema que a tecnologia possa ter a esperança de resolver. O que há de errado com a educação não pode ser solucionado com tecnologia”. Seu nome? Steve Jobs.

A primeira saída milagrosa proposta por alguns de nossos líderes é simplesmente a distribuição de hardware nas escolas. O tablet criado por Jobs é uma das ondas do momento: nosso Ministério da Educação vai gastar 150 milhões de reais neste ano na distribuição de 600 000 engenhocas a professores. Perguntei ao MEC quais os estudos que embasam a ideia de que a distribuição desse material terá algum impacto sobre a qualidade do ensino, mas não houve resposta. Nem poderia. Praticamente toda a pesquisa sobre o assunto, não apenas no Brasil como no exterior, mostra que não há relação entre a presença de computadores na escola e o aprendizado do aluno. Imagine então um aparelho dado ao professor. O programa surgiu por vias tortas. A primeira intenção era distribuir laptops a todos os alunos da rede pública. Mas a experiência internacional tem mostrado que essa medida é muito custosa e pouco eficaz, a ponto de cidades americanas que a implementaram já a terem cancelado há anos. Os alunos estavam usando os computadores para colar em provas e baixar pornografia. Mesmo no Brasil, o estudo sobre o impacto do programa Um Computador por Aluno em sua fase piloto mostrou que só se beneficiavam do laptop aqueles alunos que o levavam para casa; aqueles usados apenas na escola não produziam melhorias no aprendizado. O MEC fez então essa mudança de curso e resolveu destinar a verba aos professores, em uma medida que certamente agradará à categoria mas não tem sustentação na pesquisa nem na lógica.

No mesmo momento em que Brasília anunciava a medida, o governo do estado de São Paulo mostrou que desperdício pouco é bobagem. Ao mesmo tempo em que briga na Justiça para não cumprir a (inócua, diga-se) lei do piso salarial dos professores, o estado divulgou um investimento de 5,5 bilhões de reais, ao longo de dez anos, para equipar suas salas de aula com lousas digitais. Chama atenção a envergadura do projeto, em um momento em que também há farta divulgação de que experiências pioneiras nos EUA têm mostrado que os distritos que receberam essas máquinas vêm tendo desempenho pior do que a média de seu estado. (Toda a bibliografia mencionada neste artigo está na íntegra em twitter.com/gioschpe.) Para não ser leviano, pedi à Secretaria da Educação que enviasse os estudos que embasam essa decisão. Inacreditavelmente, o material encaminhado foi uma carta do presidente da Dell, fornecedora das lousas, remetida ao secretário da Educação com um resumo de suposto estudo da Unesco demonstrando o impacto positivo da tecnologia em projeto piloto na cidade de Hortolândia. Depois de dias pedindo para receber esse estudo, a secretaria me informou que não o possuía (!). O que leva a crer que tomou uma decisão bilionária com base em uma carta do principal beneficiário do programa.

Acompanhando essa obsessão já consolidada por maquinário, surge uma nova esperança de revolução educacional através do ensino a distância. Seus proponentes sonham com um cenário em que os melhores professores do Brasil dão uma aula e ela é acompanhada por milhões de alunos, quer em sala de aula, quer em casa, aprendendo em seu próprio ritmo. Assim nos livramos dos maus professores, cortamos gastos e imediatamente damos um salto na qualidade do ensino ofertado. Que eu saiba, nenhum lugar do mundo implementou sistema assim na educação básica, de forma que não há estudos para comprovar a exequibilidade desse plano, mas tenho fortes suspeitas de que é inviável. Se fosse possível simplesmente transmitir conhecimento remotamente, a televisão já o teria feito. A ideia é mais antiga ainda: em 1925, Thomas Edison, o inventor da lâmpada e do fonógrafo, previa que a presença de livros em escolas estava prestes a acabar: seriam substituídos por filmes. A tese segundo a qual a educação é um processo unidirecional de transferência do conteúdo do professor para o aluno é equivocada. Mesmo sem entrar em discussões pedagógicas, que não são a minha praia, os estudos econométricos mostram que muitos dos principais fatores de uma escola de sucesso — como a realização e a correção de dever de casa, provas constantes, formato pergunta e resposta em aula — dependem de interatividade e atenção ao progresso do aluno. O bom professor precisa conhecer profundamente a matéria que ensina e, além disso, modular constantemente a maneira como a transmite, levando em conta o estágio de aprendizado de seus alunos. Mesmo que a internet tenha a interatividade que a TV não tem, é patentemente impossível que um professor interaja com milhares ou milhões de alunos.

Uma terceira área em que a tecnologia pode ajudar a educação é através de redes sociais, para que alunos e professores se auxiliem mutuamente. Desconheço pesquisas a respeito, dada a novidade da tecnologia, mas o potencial é tremendo. Porém o fundamental certamente não é a tecnologia, e sim a decisão que a antecede: na China, professores se reúnem constantemente em suas escolas e, depois, em seu distrito para trocar ideias e melhores práticas. O Brasil poderia fazer o mesmo. A tecnologia pode facilitar e potencializar esse convívio, mas não é necessária nem suficiente para o seu surgimento.

Por último, uma área que tem mostrado resultados positivos em educação é a da utilização de softwares específicos para o aprendizado, especialmente no campo da matemática. As intenções dessa utilização não são revolucionárias, nem os resultados, mas pelo menos aí há evidências positivas. Algumas delas estão postadas no meu Twitter.

O fracasso da tecnologia em sala de aula, vinte anos depois do seu início, não quer dizer que ela não possa trazer resultados no futuro. Há um consenso na literatura de que inserir elementos tecnológicos usando o mesmo currículo e com a mesma pedagogia — como normalmente são desenhados esses programas — é um desperdício. A própria ideia de um laboratório de informática, um lugar aonde se vai para estudar computação, é uma estupidez: ou o computador está presente em sala de aula e é apreendido por professores e alunos como parte da matéria, ou é inútil. A tecnologia é uma ferramenta pedagógica, assim como o quadro-negro e o livro didático. Talvez mais poderosa, mas ainda assim apenas uma ferramenta, que trará resultados se for usada por um professor preparado em proposta que faça sentido pedagógico. O melhor software em educação continua sendo, disparado, o cérebro de um bom professor.

Não duvido de que um dia tenhamos máquinas que passem no teste de Turing, demonstrando inteligência indistinguível da de um humano. Até esse dia chegar, nossa batalha precisa ser a de ter bons professores dando boas aulas, sem pirotecnias ou geringonças. O fato de o Brasil estar embarcando em mais esse diversionismo é sintomático da falta de foco, de lógica e de ambição que domina nosso diálogo nesse setor. Falaremos sobre isso nos próximos artigos.

Fonte: revista Veja

08
maio
13

Não compre nestes sites!

Divulgando a lista de sites “não recomendados” pelo Procon -SP.

No site do Procon – SP, há informações adicionais de todos os sites acima.

http://www.procon.sp.gov.br/pdf/acs_sitenaorecomendados.pdf

A matéria completa pode ser vista em:

http://canaltech.com.br/noticia/internet/Lista-de-sites-nao-confiaveis-do-Procon-SP-aumenta-e-agora-tem-275-enderecos/#ixzz2SiORquQn

12
jan
13

Boa ação do ano: Infliximabe (Remicade) para doar

Há alguns meses acumulei algumas caixas de Infliximabe (Remicade) em minha geladeira. Isto ocorreu porque, por erro da própria Secretaria de Saúde, recebi a medicação (3 frascos de 100 mg) dois meses seguidos, sendo que faço a infusão de dois em dois meses.

Num primeiro momento, pensei em colocá-los a venda em sites de anúncios. Seria muito bom poder faturar uma graninha (que daria até para comprar um carro popular!). Mas apesar de já ter visto tipo semelhante de anúncio, não tive coragem de fazê-lo pois medicamento não é um produto qualquer que você pode comercializar livremente como se fosse um livro, dvd ou carro usado.

Pensei então em fazer uma boa ação, como várias que venho fazendo ultimamente. Quem sabe, Deus não reserva uma recompensa para mim num futuro breve?

Sendo assim, caso alguém necessite deste medicamento para tratamento de doença de Crohn, colite ulverativa, artrite reumatóide, espondilite anquilosante, psoríase, entre outras doenças (e que tenha prescrição pois não recomendo a utilização deste remédio por conta própria) veja anúncio abaixo:

Tenho caixas de Infliximabe (remicade) 100 mg para doar, com data de vencimento para março de 2014. Quem se interessar, entre em contato pelo e-mail (omset@ig.com.br). Como a medicação necessita de refrigeração, não posso enviar pelo correio. Podemos no entanto combinar a melhor forma de entrega.